Pular para o conteúdo principal

ZARATUSTRA – DAS TRÊS METAMORFOSES

Resultado de imagem para ZARATUSTRA – DAS TRÊS METAMORFOSES

ZARATUSTRA – DAS TRÊS METAMORFOSES

O discurso sobre as três metamorfoses abre o livro Assim falou Zaratustra, escrito por Nietzsche entre 1883 e 1885. A importância deste primeiro discurso é enorme. Nele, além de encontrarmos um primeiro indício do que significa o nome Zaratustra para além do superficial “estrela dourada”, encontramos referências que nos permitem pensar com alguma clareza o percurso da obra do próprio Nietzsche, que jamais teve a pretensão de escrever uma obra sistemática. Há de se “desconfiar dos sistemáticos”, dizia ele. É possível, entretanto, pensar um projeto nietzschiano a partir deste pequeno discurso de duas páginas.
edição finlandesa
edição finlandesa
Este projeto se apresenta como uma transformação. Transformação de quê? Três metamorfoses do espírito é o que ele apresenta. É necessário algum cuidado com a noção de espírito: aqui, ela está para além daquela de “espírito livre” presente em Humano demasiado Humano (1878), ou melhor, ela é talvez um desdobramento daquela. Se naquele prefácio ele apontava para uma libertação do homem, tal qual “pássaro audaz”, que se desgarra dos valores que o superam, aqui este espírito ganha mais três representações, momentos de uma mesma libertação. Entretanto, deve-se notar também a enorme distância entre este espírito livre, representado pelo pássaro, e a derradeira forma do espírito, representado pela criança. O que os separa? A vontade de verdade. Vejamos…
O que é pesado? Assim pergunta o espírito resistente, e se ajoelha, como um camelo, e quer ser bem carregado.
Sob o signo do Camelo, encontra-se a vontade de verdade. Alimentar-se da “erva daninha do conhecimento e pela verdade padecer fome na alma”. Encontra-se também a vontade de submissão, de rebaixamento, de humilhação, de humildade, de “fazer brilhar sua tolice”. Aqui, não há nada para além da aceitação. Por mais atrozes que sejam as condições e mais forte seja o espírito, haverá apenas sujeição e a obediência. E com todo o peso dos valores por sob as costas, ele ruma para o deserto. Mas é no deserto que acontece a segunda metamorfose:
Qual é o grande dragão, que o espírito não deseja chamar de senhor e deus? “Não farás” chama-se o grande dragão. Mas o espírito do leão diz “Eu quero”.
No solitário deserto, o dragão de escamas douradas aparece como a encarnação dos “valores milenares”. Em cada escama, um “Não farás”, um “Tu deves” para o qual o camelo teria pressa em se ajoelhar, mas não o leão. Ele brada a plenos pulmões: “Eu quero”, “Eu farei”. Desafia este dragão, senhor dos valores, a personificação de toda proibição a fim de “criar liberdade para si e um sagrado Não ante o dever”. O leão nada mais é do que o camelo que toma conta de sua força, apercebe-se de suas capacidades e diz não, ao invés de renunciar. Mas para quê este não? De que serve esta luta? Qual sue propósito? Criar novos valores? Não, isto não está no poder do leão, ele é apenas um combatente. Este não leonino só é não na medida em que está a serviço de um sim, de uma afirmação por vir. Ele cria “a liberdade para a nova criação”:
Inocência é a criança, e esquecimento; um novo começo, um jogo, uma roda a girar por si mesma, um primeiro movimento, um sagrado dizer-sim.
Eis a derradeira transformação. Este espírito, que amou outrora sua devoção, passou a desafiar todo e qualquer sagrado, apaixonou-se por sua vontade e agora, com posse de direito por sob a criação, quer afirmar este amor! Quer tornar sagrado o dizer-sim. A criança pode o que nem camelo, nem leão puderam fazer: criar, brincar, jogar, “girar por si  mesma”. Que é querer uma vontade? É dizer Sim para o “jogo da criação”. É tomar o mais pesado dos fardos pela mais leve das plumas.
Que distância! Do espírito livre de Humano Demasiado Humano à criança de Assim falou Zaratustra. Onde foi parar a vontade de verdade? Nesta última fase, ela não passa do primeiro momento, daquele que busca motivos para jogar o tal jogo, daquele que quer saber ao certo os culpados por seu sofrimento, ela habita o coração do camelo. Qual a relevância da Verdade para a criança? Nula. Toda veracidade termina por se submeter à intencionalidade: a verdade estará daqui em diante a serviço da vontade, não o contrário.
Após entender o que o Camelo representa para Nietzsche, podemos pensar então um segundo significado mais profundo para o nome Zaratustra. Um livro do historiador Friedrich Von Hellwald, chamado História da civilização em seu desenvolvimento natural (1874), possivelmente consultado por Nietzsche, mostra um outro significado do nome Zaratustra: “aquele que possui bravos camelos”. O que é o profeta? Um adestrador de camelos? O contrário: ele é aquele que deve lidar com eles. Colocá-los no caminho das metamorfoses: incitá-los a recusar seu peso, enfrentar seus demônios e dizer um gracioso Sim para suas vontades.
Fonte:https://razaoinadequada.com/2013/11/09/zaratustra-das-tres-metamorfoses/

Postagens mais visitadas deste blog

7 PECADOS CAPITAIS-PECADOS E VIRTUDES HOJE : CURADORIA DO HISTORIADOR LEANDRO KARNAL (VÍDEOS TV CULTURA)

café filosófico cpfl na tv cultura apresenta os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria de leandro karnal a série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria do historiador leandro karnal. prazeres? talvez você os conheça como os 7 pecados capitais: orgulho, inveja, ira, preguiça, avareza, gula, luxúria. você já pensou como isso tem se transformado? como ao longo do tempo, pecados e vícios foram sendo ressignificados?
orgulho nosso de cada dia com leandro karnal o curador da série: leandro karnal “o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.” este pensamento de santo agostinho parece não ser mais levado em tanta consideração. pois, a vaidade parece estar cada vez mais em alta nesta sociedade, onde o individualismo e o “empreendedorismo” passaram a ser metas, valores, fortemente estimulados.  aquele que já foi visto como o maior e o primeiro dos pecados capitais por seus atributos maléficos – o orgulho – hoje viro…

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA
O budismo, que para todos os fins trataremos aqui por uma filosofia, tem semelhanças incríveis com o pensamento de Schopenhauer. O filósofo foi muito influenciado pelo pensamento oriental e usa muitas das ideias do hinduísmo e do budismo para melhor desenvolver seus conceitos. A principal questão abordada por eles é a dor. De onde vem a dor? Por que sentimos dor? É possível fazer cessá-la? Para todos os efeitos, Schopenhauer vê a dor como resultado da falta, uma falta insaciável que nunca é preenchida. Temos fome, temos sede, frio, desejos sociais, amorosos. Viver é sinônimo de querer, mas querer é a busca por preencher a falta, falta esta que nos constitui. Buda, ou melhor, o príncipe Sidarta Gautama, encontrou a dor logo após renunciar de sua vida no castelo e fugir de uma existência cercada de regalias e benesses. Logo deparou-se com um velho, um doente, um cadáver, e, por fim, um asceta. Após  anos de meditação e prática, Sidarta Gautama finalmente atin…

RELAÇÕES DE CONSUMO E GLOBALIZAÇÃO : 9 PENSAMENTOS DE ZYGMUNT BAUMAN QUE VÃO CHACOALHAR SUA MENTE

Relações, consumo e globalização: 9 pensamentos de Zygmunt Bauman que vão chacoalhar sua mente
O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), em Leeds, na Inglaterra, informou o jornal polonês Gazeta Wyborzca. A causa da morte não foi divulgada. Aos 91 anos, ele era considerado um dos intelectuais mais importantes do século 20. Ele deixou a mulher, Janine Lewinson-Bauman, e três filhas. Nascido em Poznan, no oeste da Polônia, em 1925, Bauman fugiu do nazismo, ainda pequeno, com a família para a União Soviética. Lá, serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército local. Mais tarde voltou à Polônia, onde foi professor da Universidade de Varsóvia. O que não durou muito. Destituído do posto, teve obras censuradas e foi expulso do Partido Comunista do qual era afiliado. Em 1968, deixou a Polônia por conta das perseguições antissemitas. Mais tarde, renunciaria à sua nacionalidade e se instalaria em Tel Aviv, em Israel. Anos depois, se fixou Universidade de Leeds, na…