Pular para o conteúdo principal

Postagens

PLATÃO E O MITO DA CAVERNA

Platão e o Mito da Caverna
“A Grécia é o berço da civilização”. Essa conhecida frase nos remete ao nascimento do mundo ocidental, mais precisamente no séc. XX a.C., que presenciou o surgimento da civilização grega.

Como se não bastasse despontar a civilização ocidental, os gregos também foram responsáveis pelo surgimento da razão, do logos, da racionalidade como meio de conhecimento do mundo. A Filosofia, criada pelos gregos, pode ser considerada o início do conhecimento racional no mundo ocidental. Se os persas tivessem vencido os gregos durante as Guerras Médicas (séc. V a.C.), provavelmente o mundo, tal como nós o conhecemos hoje, não existiria.

Dentre os pensadores mais importantes do ocidente, sem dúvida alguma, citamos Platão e Aristóteles, talvez os mais importantes e influentes pensadores de toda a história. Para ser ter uma ideia dessa influência, o "Mito da Caverna", de Platão, é um dos textos filosóficos mais lidos e discutidos ainda na hoje, seja na universidade, na…
Postagens recentes

NÓS NÃO NASCEMOS HUMANOS,NÓS NOS TORNAMOS HUMANOS

Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos
26/05/2017 08:59
FILOSOFIA
Esses dias me deparei com uma frase genial de um dos maiores autores do século XX, o grande estudioso das religiões Joseph Campbell. Era uma frase de apenas 8 palavras, mas de uma riqueza profunda de reflexões. Veja! “Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos.” Talvez você se questione! Como assim? Não entendi! Em um primeiro momento essa frase parece mesmo confusa, mas ele estava absolutamente correto ao escrevê-la dessa maneira! Eu gosto muito de conhecer as raízes das palavras, e por incrível que pareça, a palavra “humano” é conhecida por bem poucas pessoas! A sua etimologia vem do latim “humus”, que significa “terra fértil”. Esse termo é o mesmo que origina a palavra HUMILDADE. Ou seja, só pode ser humilde alguém verdadeiramente humano, e só pode ser humana a pessoa que faz de si uma terra fértil, capaz de gerar algo novo a partir de seus nutrientes cultivados. Não é linda a raiz dessa palavra? Se você…

"SOMOS INUNDADOS DE INFORMAÇÃO E FAMINTOS DE SABEDORIA" - ENTREVISTA COM O PENSADOR POLONÊS ZYGMUNT BAUMAN (VÍDEO)

“Somos inundados de informação e famintos de sabedoria” Zygmunt Bauman é dos grandes pensadores da Modernidade, conhecido mundialmente por seu célebre conceito de “”liquidez””. Perspicaz analista dos fatos cotidianos, o sociólogo tem vasta obra sobre temas contemporâneos, com destaque para o best-seller Amor líquido, fundamental para a compreensão das relações afetivas no mundo atual. Bauman nasceu na Polônia e mora na Inglaterra desde 1971. Professor emérito das Universidades de Varsóvia e Leeds, tem mais de trinta livros publicados no Brasil. Fonte:http://www.pensarcontemporaneo.com/somos-inundados/

ZARATUSTRA – DAS TRÊS METAMORFOSES

ZARATUSTRA – DAS TRÊS METAMORFOSES
O discurso sobre as três metamorfoses abre o livro Assim falou Zaratustra, escrito por Nietzsche entre 1883 e 1885. A importância deste primeiro discurso é enorme. Nele, além de encontrarmos um primeiro indício do que significa o nome Zaratustra para além do superficial “estrela dourada”, encontramos referências que nos permitem pensar com alguma clareza o percurso da obra do próprio Nietzsche, que jamais teve a pretensão de escrever uma obra sistemática. Há de se “desconfiar dos sistemáticos”, dizia ele. É possível, entretanto, pensar um projeto nietzschiano a partir deste pequeno discurso de duas páginas. edição finlandesaEste projeto se apresenta como uma transformação. Transformação de quê? Três metamorfoses do espírito é o que ele apresenta. É necessário algum cuidado com a noção de espírito: aqui, ela está para além daquela de “espírito livre” presente em Humano demasiado Humano (1878), ou melhor, ela é talvez um desdobramento daquela. Se naquele…

RELAÇÕES DE CONSUMO E GLOBALIZAÇÃO : 9 PENSAMENTOS DE ZYGMUNT BAUMAN QUE VÃO CHACOALHAR SUA MENTE

Relações, consumo e globalização: 9 pensamentos de Zygmunt Bauman que vão chacoalhar sua mente
O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), em Leeds, na Inglaterra, informou o jornal polonês Gazeta Wyborzca. A causa da morte não foi divulgada. Aos 91 anos, ele era considerado um dos intelectuais mais importantes do século 20. Ele deixou a mulher, Janine Lewinson-Bauman, e três filhas. Nascido em Poznan, no oeste da Polônia, em 1925, Bauman fugiu do nazismo, ainda pequeno, com a família para a União Soviética. Lá, serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército local. Mais tarde voltou à Polônia, onde foi professor da Universidade de Varsóvia. O que não durou muito. Destituído do posto, teve obras censuradas e foi expulso do Partido Comunista do qual era afiliado. Em 1968, deixou a Polônia por conta das perseguições antissemitas. Mais tarde, renunciaria à sua nacionalidade e se instalaria em Tel Aviv, em Israel. Anos depois, se fixou Universidade de Leeds, na…

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA
O budismo, que para todos os fins trataremos aqui por uma filosofia, tem semelhanças incríveis com o pensamento de Schopenhauer. O filósofo foi muito influenciado pelo pensamento oriental e usa muitas das ideias do hinduísmo e do budismo para melhor desenvolver seus conceitos. A principal questão abordada por eles é a dor. De onde vem a dor? Por que sentimos dor? É possível fazer cessá-la? Para todos os efeitos, Schopenhauer vê a dor como resultado da falta, uma falta insaciável que nunca é preenchida. Temos fome, temos sede, frio, desejos sociais, amorosos. Viver é sinônimo de querer, mas querer é a busca por preencher a falta, falta esta que nos constitui. Buda, ou melhor, o príncipe Sidarta Gautama, encontrou a dor logo após renunciar de sua vida no castelo e fugir de uma existência cercada de regalias e benesses. Logo deparou-se com um velho, um doente, um cadáver, e, por fim, um asceta. Após  anos de meditação e prática, Sidarta Gautama finalmente atin…

A VIRTUALIZAÇÃO POR DUAS FACES

A VIRTUALIZAÇÃO POR DUAS FACESMais uma vez, permito-me a falar sobre as redes sociais e seu papel na sociedade contemporânea. Desta vez, no entanto, partirei para a visão apocalíptica de Jean Baudrillard, em contrapartida com, o integralista, Pierry Lévy. Ambos os autores, em ocasiões que se cruzam, questionaram sobre a comunicação no período da virtualização. No início dos anos 90, a internet começaria o seu boom. A ideia de que cada pessoa poderia ter um microcomputador dentro de sua casa elevou a sociedade a uma nova concepção de informação, tempo e espaço. De acordo com Baudrillard, a interação por meio da internet estaria a provocar a desertificação do espaço físico, o chamado real e, mudando a percepção biológica do tempo. Para comprovar o que afirmava o teórico ainda apontou a mudança do comportamento das pessoas em relação à informação: os significados e significantes passaram a tomar rumos diferentes o que, segundo ele, provocaria e provoca o fim do conhecimento genuíno e o in…