Pular para o conteúdo principal

A VIRTUALIZAÇÃO POR DUAS FACES

matrix.jpg

A VIRTUALIZAÇÃO POR DUAS FACES

Mais uma vez, permito-me a falar sobre as redes sociais e seu papel na sociedade contemporânea. Desta vez, no entanto, partirei para a visão apocalíptica de Jean Baudrillard, em contrapartida com, o integralista, Pierry Lévy. Ambos os autores, em ocasiões que se cruzam, questionaram sobre a comunicação no período da virtualização. No início dos anos 90, a internet começaria o seu boom. A ideia de que cada pessoa poderia ter um microcomputador dentro de sua casa elevou a sociedade a uma nova concepção de informação, tempo e espaço. De acordo com Baudrillard, a interação por meio da internet estaria a provocar a desertificação do espaço físico, o chamado real e, mudando a percepção biológica do tempo.
Jean baudrillard.jpg
Para comprovar o que afirmava o teórico ainda apontou a mudança do comportamento das pessoas em relação à informação: os significados e significantes passaram a tomar rumos diferentes o que, segundo ele, provocaria e provoca o fim do conhecimento genuíno e o início das sabedorias superficiais. “Pois onde pensamos que a informação produz sentido é o oposto que se verifica. (...) Assim a informação dissolve o social num espécie de nebulosa voltada não a um aumento de inovação, mas muito pelo contrário, à entropia total.” (Baudrillard, Jean, 1982).
Levy.jpg
Em contrapartida, Pierry Lévy acredita, não no fim do sentido, mas da criação de um novo. O filósofo defende que a virtualização corresponde a um novo modo de interação e tão eficaz para a construção de sentido e, consequentemente, conhecimento, que futuraliza a evolução social. A visão integralista de Lévy gera a construção do saber coletivo, o cérebro global.
cyberspace.jpg
Lévy afirma que o real é apenas uma repetição do existente e o virtual é a realização de uma possibilidade num espaço paralelo. Além de julgar o novo meio cheio de possibilidade, ele ainda inclui as movimentações econômicas como área grandemente influenciada e influenciadora da construção de novos sentidos, significados e significantes. Após conhecer as duas linhas de pensamento, estudiosos da área da comunicação partem para uma visão positiva e também negativa da evolução das tecnologias da informação. No entanto, por se tratar do tempo real, nos resta questionar a realidade pela qual estamos passando e entender as essências de todas as vertentes possíveis para melhor se posicionar.

Fonte:
© obvious: http://lounge.obviousmag.org/nati_nogueira/2014/04/a-virtualizacao-por-duas-faces.html#ixzz3wlgvM8vP 


matrix.jpg

Postagens mais visitadas deste blog

7 PECADOS CAPITAIS-PECADOS E VIRTUDES HOJE : CURADORIA DO HISTORIADOR LEANDRO KARNAL (VÍDEOS TV CULTURA)

café filosófico cpfl na tv cultura apresenta os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria de leandro karnal a série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria do historiador leandro karnal. prazeres? talvez você os conheça como os 7 pecados capitais: orgulho, inveja, ira, preguiça, avareza, gula, luxúria. você já pensou como isso tem se transformado? como ao longo do tempo, pecados e vícios foram sendo ressignificados?
orgulho nosso de cada dia com leandro karnal o curador da série: leandro karnal “o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.” este pensamento de santo agostinho parece não ser mais levado em tanta consideração. pois, a vaidade parece estar cada vez mais em alta nesta sociedade, onde o individualismo e o “empreendedorismo” passaram a ser metas, valores, fortemente estimulados.  aquele que já foi visto como o maior e o primeiro dos pecados capitais por seus atributos maléficos – o orgulho – hoje viro…

NÓS NÃO NASCEMOS HUMANOS,NÓS NOS TORNAMOS HUMANOS

Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos
26/05/2017 08:59
FILOSOFIA
Esses dias me deparei com uma frase genial de um dos maiores autores do século XX, o grande estudioso das religiões Joseph Campbell. Era uma frase de apenas 8 palavras, mas de uma riqueza profunda de reflexões. Veja! “Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos.” Talvez você se questione! Como assim? Não entendi! Em um primeiro momento essa frase parece mesmo confusa, mas ele estava absolutamente correto ao escrevê-la dessa maneira! Eu gosto muito de conhecer as raízes das palavras, e por incrível que pareça, a palavra “humano” é conhecida por bem poucas pessoas! A sua etimologia vem do latim “humus”, que significa “terra fértil”. Esse termo é o mesmo que origina a palavra HUMILDADE. Ou seja, só pode ser humilde alguém verdadeiramente humano, e só pode ser humana a pessoa que faz de si uma terra fértil, capaz de gerar algo novo a partir de seus nutrientes cultivados. Não é linda a raiz dessa palavra? Se você…

"SOMOS INUNDADOS DE INFORMAÇÃO E FAMINTOS DE SABEDORIA" - ENTREVISTA COM O PENSADOR POLONÊS ZYGMUNT BAUMAN (VÍDEO)

“Somos inundados de informação e famintos de sabedoria” Zygmunt Bauman é dos grandes pensadores da Modernidade, conhecido mundialmente por seu célebre conceito de “”liquidez””. Perspicaz analista dos fatos cotidianos, o sociólogo tem vasta obra sobre temas contemporâneos, com destaque para o best-seller Amor líquido, fundamental para a compreensão das relações afetivas no mundo atual. Bauman nasceu na Polônia e mora na Inglaterra desde 1971. Professor emérito das Universidades de Varsóvia e Leeds, tem mais de trinta livros publicados no Brasil. Fonte:http://www.pensarcontemporaneo.com/somos-inundados/