Pular para o conteúdo principal

O HUMOR E SUA FUNÇÃO - ALÍVIO DA EXPERIÊNCIA DE ANIQUILAMENTO,COM JACQUES STIFELMAN (VÍDEO ÍNTEGRAL)

o humor e sua função – alívio da experiência de aniquilamento, com jacques stifelman (íntegra)

“o humor pega um fato e faz uma manobra. ele nos faz ver a natureza humana numa situação mais palatável”, disse o psiquiatra jacques stifelman durante o café filosófico “o humor e sua função – alívio da experiência de aniquilamento” de 27/11.
segundo o especialista, nem sempre é clara essa relação entre realidade, humor e seriedade. “ter dúvidas sobre o que a gente pensa pode ser levado a sério. mas que as pessoas pensam não é o que elas pensam. e sequer tem a ver com elas”, disse.
curador da série, o apresentador marcelo tas, curador da série de novembro sobre o humor politicamente (in)correto acompanhou o encontro e perguntou por que não existe humor em regimes autoritários. segundo stifelman, o humor, como outros mecanismos que induzem ao pensamento, é oprimido, em determinados países, porque oferece riscos. ele ressaltou a peculiaridade da situação brasileira: “há algo no brasileiro que favorece a não levar a sério alguma coisa”.
o palestrante alertou, no entanto, que o humor deve ser aliado da realidade, e não aliado da evasão mental. “toda suspensão de contato da realidade, via humor, vai cobrar a conta depois. da realidade ninguém escapa”, disse.
confira abaixo a íntegra do encontro:

Postagens mais visitadas deste blog

7 PECADOS CAPITAIS-PECADOS E VIRTUDES HOJE : CURADORIA DO HISTORIADOR LEANDRO KARNAL (VÍDEOS TV CULTURA)

café filosófico cpfl na tv cultura apresenta os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria de leandro karnal a série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria do historiador leandro karnal. prazeres? talvez você os conheça como os 7 pecados capitais: orgulho, inveja, ira, preguiça, avareza, gula, luxúria. você já pensou como isso tem se transformado? como ao longo do tempo, pecados e vícios foram sendo ressignificados?
orgulho nosso de cada dia com leandro karnal o curador da série: leandro karnal “o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.” este pensamento de santo agostinho parece não ser mais levado em tanta consideração. pois, a vaidade parece estar cada vez mais em alta nesta sociedade, onde o individualismo e o “empreendedorismo” passaram a ser metas, valores, fortemente estimulados.  aquele que já foi visto como o maior e o primeiro dos pecados capitais por seus atributos maléficos – o orgulho – hoje viro…

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA

SCHOPENHAUER, NIETZSCHE E BUDA
O budismo, que para todos os fins trataremos aqui por uma filosofia, tem semelhanças incríveis com o pensamento de Schopenhauer. O filósofo foi muito influenciado pelo pensamento oriental e usa muitas das ideias do hinduísmo e do budismo para melhor desenvolver seus conceitos. A principal questão abordada por eles é a dor. De onde vem a dor? Por que sentimos dor? É possível fazer cessá-la? Para todos os efeitos, Schopenhauer vê a dor como resultado da falta, uma falta insaciável que nunca é preenchida. Temos fome, temos sede, frio, desejos sociais, amorosos. Viver é sinônimo de querer, mas querer é a busca por preencher a falta, falta esta que nos constitui. Buda, ou melhor, o príncipe Sidarta Gautama, encontrou a dor logo após renunciar de sua vida no castelo e fugir de uma existência cercada de regalias e benesses. Logo deparou-se com um velho, um doente, um cadáver, e, por fim, um asceta. Após  anos de meditação e prática, Sidarta Gautama finalmente atin…

RELAÇÕES DE CONSUMO E GLOBALIZAÇÃO : 9 PENSAMENTOS DE ZYGMUNT BAUMAN QUE VÃO CHACOALHAR SUA MENTE

Relações, consumo e globalização: 9 pensamentos de Zygmunt Bauman que vão chacoalhar sua mente
O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), em Leeds, na Inglaterra, informou o jornal polonês Gazeta Wyborzca. A causa da morte não foi divulgada. Aos 91 anos, ele era considerado um dos intelectuais mais importantes do século 20. Ele deixou a mulher, Janine Lewinson-Bauman, e três filhas. Nascido em Poznan, no oeste da Polônia, em 1925, Bauman fugiu do nazismo, ainda pequeno, com a família para a União Soviética. Lá, serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército local. Mais tarde voltou à Polônia, onde foi professor da Universidade de Varsóvia. O que não durou muito. Destituído do posto, teve obras censuradas e foi expulso do Partido Comunista do qual era afiliado. Em 1968, deixou a Polônia por conta das perseguições antissemitas. Mais tarde, renunciaria à sua nacionalidade e se instalaria em Tel Aviv, em Israel. Anos depois, se fixou Universidade de Leeds, na…