Pular para o conteúdo principal

7 PECADOS CAPITAIS-PECADOS E VIRTUDES HOJE : CURADORIA DO HISTORIADOR LEANDRO KARNAL (VÍDEOS TV CULTURA)

café filosófico cpfl na tv cultura apresenta os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria de leandro karnal

 a série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria do historiador leandro karnal. prazeres? talvez você os conheça como os 7 pecados capitais: orgulho, inveja, ira, preguiça, avareza, gula, luxúria. você já pensou como isso tem se transformado? como ao longo do tempo, pecados e vícios foram sendo ressignificados?

orgulho nosso de cada dia
com leandro karnal
21.09.12 - CPFL Cultura - Leandro Karnal fotos: Tatiana Ferro
o curador da série: leandro karnal
“o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.”
este pensamento de santo agostinho parece não ser mais levado em tanta consideração. pois, a vaidade parece estar cada vez mais em alta nesta sociedade, onde o individualismo e o “empreendedorismo” passaram a ser metas, valores, fortemente estimulados.  aquele que já foi visto como o maior e o primeiro dos pecados capitais por seus atributos maléficos – o orgulho – hoje virou  virtude. disfarçada e rebatizada de autoestima, a vaidade é  agora “amor próprio”. este programa abre a série do café filosófico que traz os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com a curadoria e apresentação do historiador leandro karnal.
a preguiça e a melancolia
com oswaldo giacóia jr.
nesta série do  café filosófico que fala dos 7 pecados capitais, chegou a hora de entender a preguiça. por que a preguiça é pecado? por que é vergonhosa? se a preguiça ofende a moral ocidental apoiada na produtividade, no fazer,  preguiça também é fruto da necessidade humana, de entorpecimento diante da ferida da existência, diante da falta de sentido da vida. o filósofo oswaldo giacóia jr. traz outra visão sobre este hábito mal-visto. e um elogio à preguiça é feito a partir da filosofia de nietzsche. afinal, como disse o escritor albert camus: ”são os ociosos que transformam o mundo porque os outros não têm tempo algum.”
quando muito é pouco: a avareza
com josé alves de freitas neto
“a avareza é um tirano bem cruel; manda ajuntar e proíbe o uso daquilo que se junta; visita o desejo e interdiz o gozo”. será que este pensamento do filósofo da antiguidade plutarco ainda reflete a forma como encaramos a avareza? na tradição judaico-cristã, a avareza foi considerada um dos sete pecados capitais por sua desconfiança em relação à vontade divina, além de ser contrária à prática da caridade. neste café filosófico,, o historiador josé alves freitas neto traça um panorama das diferentes percepções acerca da avareza no decorrer da história e reflete sobre suas relações com a sociedade de consumo, o dinheiro e a busca pela felicidade no mundo contemporâneo.
da ira à esperança
com padre contieri
“alguns sábios afirmaram que a ira é uma loucura breve; por não se controlar a si mesma, perde a compostura, esquece as suas obrigações, persegue os seus intentos de forma obstinada e ansiosa, recusa os conselhos da razão… incapaz de discernir o que é justo e verdadeiro, semelhante às ruínas que se abatem sobre quem as derruba.” nas reflexões de seneca, filósofo da antiguidade, a ira transforma o ser em fera portanto segundo ele “o melhor remédio para a ira é fazer uma pausa”, “ela desaparece se tiver que esperar”. mas quem nunca se irritou? e quantas vezes jogamos a culpa no outro por nossa ira? estamos sempre dizendo: o outro me deixou com raiva, alguma coisa me irritou…. a culpa  é sempre de algo que está fora de nós. mas a ira é algo que  brota dentro de nós. neste programa, a ira é o tema da reflexão conduzida pelo padre jesuíta carlos alberto contieri também como uma forma de nos conduzir à esperança.
o pecado envergonhado: a inveja e a tristeza sobre a felicidade alheia
com leandro karnal
a inveja dirige todo o nosso olhar para o que o outro tem, o que o outro faz, o que o outro é. com a comparação nos concentramos sempre no outro e não em nós mesmos. por isso, a inveja revela a incapacidade de reconhecer o que falta na gente. e esse sentimento pode atingir um tal grau de intensidade que as consequências podem ser imprevisíveis. na bíblia a inveja foi tratada em parábolas como as de caim e abel e a do filho pródigo; na literatura ela é o tema de grandes tragédias como othelo, de shakespeare.  essa espécie de cegueira foi representada na divina comédia de dante alighieri por pessoas com os olhos costurados que caminham pelo segundo terraço da montanha do purgatório. o historiador leandro karnal nos mostra como a inveja pode ser a porta de entrada para um corajoso mergulho em nós mesmos, para conhecermos quem somos e o que buscamos.
a gula: entre vícios e virtudes
com luis estevam de oliveira fernandes
a gula, esse  desejo insaciável de querer mais e mais, o pecado que a igreja transformou em capital na idade media, já foi visto de diversas maneiras. hoje vivemos um tempo de contradições: de um lado o culto e o cuidado com o corpo, a ciência, a nutrição trazendo regras de como se deve comer… e do outro lado, o estímulo gastronômico nas competições do tipo “quem come mais” e no enorme sucesso do rótulo “gourmet”… afinal, onde cabe a gula no mundo contemporâneo? o historiador luis estevam de oliveira fernandes traz uma análise de como a humanidade inventou a gula e associou-lhe culpa.
a castidade impossível, a luxúria maldita
com luiz felipe pondé
neste programa o tema é a luxúria, o pecado da carne. e o filósofo luiz felipe pondé mostra os desprazeres do pecado do prazer. a luxúria não traz satisfação e plenitude, ela escraviza a alma e conduz ao aniquilamento moral. ou, nas palavras de marquês se sade, o escritor libertino: “a paixão da luxúria quer ser servida… ela exige, ela tiraniza”. sendo luxúria essa maldição, nos resta ainda a esperança do amor,- ou seria esta uma ilusão ainda maior? a alternativa seria então a castidade, este ideal tão inalcançável? entre a luxúria maldita e a castidade impossível, haverá saída para o nosso desejo?
série “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com curadoria do historiador leandro karnal
fonte:http://www.cpflcultura.com.br/2014/08/18/cafe-filosofico-cpfl-na-tv-cultura-apresenta-os-7-prazeres-capitais-pecados-e-virtudes-hoje-com-curadoria-de-leandro-karnal/

Postagens mais visitadas deste blog

RELAÇÕES DE CONSUMO E GLOBALIZAÇÃO : 9 PENSAMENTOS DE ZYGMUNT BAUMAN QUE VÃO CHACOALHAR SUA MENTE

Relações, consumo e globalização: 9 pensamentos de Zygmunt Bauman que vão chacoalhar sua mente
O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), em Leeds, na Inglaterra, informou o jornal polonês Gazeta Wyborzca. A causa da morte não foi divulgada. Aos 91 anos, ele era considerado um dos intelectuais mais importantes do século 20. Ele deixou a mulher, Janine Lewinson-Bauman, e três filhas. Nascido em Poznan, no oeste da Polônia, em 1925, Bauman fugiu do nazismo, ainda pequeno, com a família para a União Soviética. Lá, serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército local. Mais tarde voltou à Polônia, onde foi professor da Universidade de Varsóvia. O que não durou muito. Destituído do posto, teve obras censuradas e foi expulso do Partido Comunista do qual era afiliado. Em 1968, deixou a Polônia por conta das perseguições antissemitas. Mais tarde, renunciaria à sua nacionalidade e se instalaria em Tel Aviv, em Israel. Anos depois, se fixou Universidade de Leeds, na…

NÓS NÃO NASCEMOS HUMANOS,NÓS NOS TORNAMOS HUMANOS

Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos
26/05/2017 08:59
FILOSOFIA
Esses dias me deparei com uma frase genial de um dos maiores autores do século XX, o grande estudioso das religiões Joseph Campbell. Era uma frase de apenas 8 palavras, mas de uma riqueza profunda de reflexões. Veja! “Nós não nascemos humanos, nós nos tornamos humanos.” Talvez você se questione! Como assim? Não entendi! Em um primeiro momento essa frase parece mesmo confusa, mas ele estava absolutamente correto ao escrevê-la dessa maneira! Eu gosto muito de conhecer as raízes das palavras, e por incrível que pareça, a palavra “humano” é conhecida por bem poucas pessoas! A sua etimologia vem do latim “humus”, que significa “terra fértil”. Esse termo é o mesmo que origina a palavra HUMILDADE. Ou seja, só pode ser humilde alguém verdadeiramente humano, e só pode ser humana a pessoa que faz de si uma terra fértil, capaz de gerar algo novo a partir de seus nutrientes cultivados. Não é linda a raiz dessa palavra? Se você…